Maurício Murad lança o seu livro `A violência no futebol`


Maurício Murad lança o seu livro `A violência no futebol`

Pesquisa de Maurício Murad revela que 17 mortes ocorreram no país envolvendo o futebol. E vê educação e cidadania como caminho para paz.

Uma pesquisa comandada pelo sociólogo Maurício Murad mostra que, somente nos nove primeiros meses de 2012, 17 mortes no Brasil foram motivadas pelo rivalidade no futebol. O especialista vê o número como recorde e diz que mudanças são urgentes. Na sua opinião, melhorias na educação e na cidadania são o caminho certo para reduzir a violência das torcidas.

– Isso é um recorde mundial. Não podemos aceitar isso. E não é só por causa da Copa do Mundo e das Olimpíadas. É um direito do cidadão brasileiro. Ainda precisamos caminhar muito para nos desenvolver. É preciso melhorar a educação e a cidadania. É isso que reduz as violências pontuais, dentre elas a do futebol – disse o pesquisador, no “Redação SporTV”.

Maurício Murad afirmou ainda que a violência do futebol reflete as mazelas de todos os outros setores da sociedade. O sociólogo vê as grandes desigualdades sociais do país como o principal fator para o surgimento da violência.

– Não tenhamos ilusão: o Brasil é um país historica e estruturalmente violento. A maioria dos mortos são de jovens, entre 15 e 24 anos. A violência no futebol é uma expressão da violência do Brasil. O nosso trânsito é o segundo mais violento do mundo. De um lado, somos um país de festas, de música e de futebol, mas por outro lado temos uma estrutura social de exclusões e de violências. Fomos o último país a abolir a escravidão e, de lá para cá, nenhuma questão social foi resolvida satisfatoriamente.

O sociólogo revelou também que a maior parte das mortes são de ‘torcedores organizados’ que não participam da violência, mas se tornam vítimas por estarem em lugares próximos aos confrontos.

– A maioria dos mortos são de pessoas que não estão ligadas aos vândalos dentro das torcidas organizadas. Eram pessoas que estavam no local, mas que não estavam envolvidos na briga. Isso está no inquérito, não é achismo. São torcedores organizados, mas não faziam parte do vandalismo.

Confusão Torcida Palmeiras x Corinthians (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Torcedores do Palmeiras quebram Pacaembu em clássico (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

Sobre Denis Wesley

Pode invadir ou chegar com delicadeza Pode invadir ou chegar com delicadeza, mas não tão devagar que me faça dormir... Não grite comigo, eu tenho o péssimo hábito de revidar... Tenha vida própria, me faça sentir saudades... Conte umas coisas que me façam rir... Acredite nas verdades que digo e nas mentiras, elas serão raras, mas sempre por uma boa causa... Respeite meu choro... Deixe-me sozinho, só volte quando eu chamar, e não me obedeça sempre é que eu também gosto de ser contrariado... Invente um papel para você que ainda não tenha sido preenchido e o inverta as vezes... Então: Sou Denis Wesley, muito prazer.

Publicado em 26/11/2012, em Antropologia, Antropologia do Futebol, Sociologia, Sociologia (Núcleo de Estudos da Violência), Sociologia Crítica, Sociologia Cultural, Sociologia da Juventude, Sociologia do Esporte, Sociologia do Futebol. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: